sexta-feira, 27 de novembro de 2009

O Segredo da levitação


clin_evans_1938

“Alguns médiuns físicos dizem ter experimentado levitações. Um dos mais famosos é Colin Evans. A fotografia foi capturada em infravermelho durante uma sessão em 1938. Comparação com várias outras fotos deste evento mostra que ele permaneceu no ar por um bom tempo!”

Ou não. Nunca prestei muita atenção a esta foto, tendo-a visto inúmeras vezes. Sempre presumi que era uma fraude e o sujeito provavelmente estivesse suspenso por um cabo invisível ou apagado da imagem. Algo similar a uma outra foto famosa do “médium” brasileiro Mirabelli.

Bem, eu estava errado. Em verdade Evans “levitou” através de outro método. Você pode adivinhar qual foi? Continue lendo para mais fotos de suas levitações que podem ajudar a desvendar este mistério nada profundo.

evans2

E que tais estas:

evans3

Notou como os pés parecem desaparecer? Talvez algum tipo de distorção gravitacional? As fotos tomadas lateralmente também revelam a curiosa posição de seu corpo, e todas elas (que registram pelo menos duas levitações diferentes) mostram algum tipo de cordão branco em sua mão esquerda. Ectoplasma?

E você, já solucionou o “mistério”?

“[A fotografia] é simplesmente hilária. É uma imagem capturada com flash de uma sessão realizada no Wortley Hall em Finsburg Park, Londres, mostrando uma platéia segurando as mãos e o médium Colin Evans ‘levitando’. Um cordão saindo de um dispositivo na mão de Evans indica que foi ele que ativou o flash – um detalhe crítico já que a evidência da própria foto revela o mecanismo da ‘levitação’ e indica assim sua natureza momentãonea: os pés de Evans são um borrão acima do encosto de sua cadeira, seu corpo está em uma posição parcialmente curvada e seu cabelo está desarrumado. Se pular no ar de uma posição curvada [sobre uma cadeira] é levitar…”, comenta o investigador cético Joe Nickell em Camera Clues: A Handbook for Photographic Investigation.

E isso é tudo, pessoal, as fotografias mostram Evans pulando. Seu movimento foi congelado pelo flash, que ele mesmo ativou com aquele cordão, mas o efeito não foi perfeito, uma vez que seus pés ainda ficaram borrados pelo movimento.

Uma dúvida que pode pairar, não exatamente sobre a levitação, é como a multidão não denunciou a fraude. Seriam todos cúmplices?

Em verdade, o parapsicólogo caçador de fantasmas Harry Price já sabia a resposta pouco depois das apresentações de Evans. Pode-se ler em “Fifty years of psychical research: a critical survey”, publicado em 1939, poucos meses após as fotografias:

“Outra sessão insatisfatória foi conduzida … no Regent’s Park, em 27 de maio de 1938 com o senhor Colin Evans. Este médium alega que, em completa escuridão, ele é ‘levitado’. As senhoras A. Peel Goldney, Henry Richards e outros pensam que neste teste particular nenhuma levitação ocorreu e o cheque pago ao médium foi devolvido aos espectadores. Uma fotografia da suposta levitação psíquica deste médium foi publicada no Daily Mirror de 13 de junho de 1938. Veja também Photography de janeiro de 1939: “Como fotografias podem ser obtidas de um homem aparentemente levitando, mas em verdade pulando”, é registrado graficamente (com ilustrações) em Proc., SPR, Vol. XLV, Part 158, pp. 196-8”.

E isso é realmente tudo. Colin Evans conseguiu encher um salão, mas só podia “levitar” em escuridão completa! Por isso nenhum dos presentes na fotografia está olhando para o homem flutuando no ar. Ou pulando. Ninguém estava vendo nada, e em retrospecto pode-se notar como os olhos de todos fixam o vazio. Não foi usada fotografia infravermelha: as imagens foram capturadas com flashes, que congelaram o movimento de um charlatão pulando do alto de uma cadeira no escuro.

As fotos eram tudo que Evans queria, e foram publicadas em um jornal de grande circulação. Ainda que mesmo alguns dos presentes provavelmente tenham percebido o que havia ocorrido, ou no mínimo não se tenham satisfeito em não ter visto nada, o resto virou história, ou melhor, ainda outra comprovação de que uma imagem enganadora acaba ecoando muito mais do que a explicação completamente sem graça.

Fotografias de Evans pulando têm sido reproduzidas há 70 anos, com rara menção ao que realmente registram. No trecho em que citamos Nickel, o cético critica como a fotografia é exibida no livro de Joyce Robins, “The World’s Greatest Mysteries” (1989), ou “Os Maiores Mistérios do Mundo”, com a legenda: “prova irrefutável de que a força da gravidade pode ser desafiada”.

Ceticismo, ele é necessário.

Alguns outros segredos da levitação

Pode-se pensar que o caso de Evans é um exemplo singular e particularmente ruim, e que mesmo nesse caso um parapsicólogo notou a fraude imediatamente após o evento. O que é bem verdade. Infelizmente, nem todos pesquisadores de supostos fenômenos paranormais são tão perspicazes, e casos de pessoas pulando promovidos como levitações não são tão raros.

Basta mencionar, por exemplo, o famoso caso do Poltergeist de Enfield, de 1977:

Note como a fotografia também foi capturada com flash (a sombra da garota projeta-se na parede oposta ao fotógrafo). O caso Enfield não consiste apenas dessa foto, mas fotografias como esta são evidência muito duvidosa de fenômenos paranormais.

Isso para não mencionar truques ainda mais antigos, e que ainda assim continuam sendo explorados:

O segredo indiano já foi abordado pelo programa Fantástico em 2007, quando o mágico (?) holandês Ramana o realizou em frente à Casa Branca.

levitacao_truque

Finalmente, ao discutir alegações de levitação, é obrigatório mencionar o “médium” vitoriano D.D. Home e a conhecida história de que teria flutuado entre janelas de uma mansão em frente a quatro testemunhas. Até hoje não se sabe como ele teria realizado o feito, se é que realmente o fez. O mágico e cético Harry Houdini, famoso por desmascarar médiuns, prometeu reproduzir o truque, mas por um problema com seu assistente acabou não o fazendo, para alegria dos crentes. Afinal, Home teria realizado o feito, truque ou não, sem nenhum assistente. No mínimo seria um ilusionista ainda mais competente que Houdini.

Ou não, claro. O fato de que mesmo um ilusionista competente como Houdini não tenha descoberto como Home efetuou a façanha não significa que ela seja tão elaborada, muito menos que tenha sido mesmo sobrenatural. Significa apenas que Houdini não descobriu qual era.

Desde então, e dentre as sugestões para como Home poderia ter iludido suas testemunhas, a que me pareceu mais interessante envolve um efeito literalmente fantasmagórico: o Fantasma de Pepper (PDF). Utilizado em atrações da Disney, como a Casa Assombrada, o efeito é um jogo de luzes e vidros semi-transparentes que ainda hoje é saudado como ultra-moderno em pseudo-holografias.

Por vezes, os truques mais simples podem produzir os resultados mais impressionantes: mais do que o truque, o segredo seria a sua apresentação. Confira mais detalhes sobre a levitação de Home e a sugestão envolvendo o Fantasma de Pepper em um excerto de I.G. Edmonds reproduzido no blog paraPsi.

Seria mesmo esta a explicação para a levitação de Home? Bem, até hoje não se sabe como ele teria realizado o feito, se é que realmente o fez. E talvez nunca saibamos, mas se isso serve para lembrar como tais peripécias mediúnicas há mais de um século que estranhamente não ocorrem mais de pouco servem cientificamente, reforça que como entretenimento, D.D. Home continua motivo de diversão.

Quer ele tenha usado ou não o efeito de luzes, a possibilidade é sem dúvida a mais interessante de todos os segredos de levitação comentados aqui.

- – -

Mais do estranho, bizarro e inexplicado? Visite o novo Ceticismo Aberto!

- – -

ADENDO

Dica do @KprA, havia esquecido este registro fotográfico de um cachorro levitando. Fez sucesso na blogosfera brasileira!

cachorro_levita

Os leitores já pediram para comentar também as “street magic” de David Blaine, Criss Angel ou Cyril Takayama. No vídeo abaixo, o próprio Criss Angel mostra o truque:

David Blaine também já usou um efeito ainda mais simples, a “Levitação Balducci“, que não precisa nem mesmo de calças e sapatos especiais.

Vale alertar também que os programas em que os truques são apresentados não raro ainda contam com truques de edição, ou simplesmente com comparsas: transeuntes inocentes nas ruas ou lojas por vezes são atores. Simples assim. No caso da levitação de David Blaine, por exemplo, no programa exibido na TV houve uma edição misturando o truque Balducci com transeuntes provavelmente reais, desavisados e genuinamente impressionados, com uma rápida tomada em que Blaine é exibido levitando a uma grande distância do chão, esta feita com cabos de suspensão e filmada separadamente.

Outros truques supostamente improvisados de Blaine, Angel e Takayama contam com aparatos preparados elaborados (como um aquário ou vitrine de loja) e espectadores contracenando.

Perde toda a graça, não? É provavelmente por isso que D.D. Home nunca revelou como realizou suas façanhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário